top of page
Buscar

Densitometria: Um olhar aprofundado sobre a saúde dos seus ossos

Com o passar dos anos, nosso corpo passa por diversas mudanças, algumas visíveis e outras ocultas aos olhos, mas que são fundamentais para a manutenção da nossa saúde e bem-estar. Uma dessas mudanças está relacionada à densidade dos nossos ossos. E é aqui que entra a densitometria, uma técnica crucial para avaliar a saúde óssea e identificar riscos futuros, como a osteoporose.


O que é e para que serve a densitometria?

A densitometria óssea é um sofisticado exame de imagem que se vale da tecnologia de raios-X de baixa energia para medir a quantidade de minerais, especialmente cálcio, presentes nos ossos. Este exame fornece um panorama detalhado sobre a saúde óssea do indivíduo, possibilitando a identificação precoce de alterações na densidade mineral dos ossos.


Além de medir a concentração mineral, a densitometria permite aos profissionais de saúde calcular a densidade óssea do paciente. A densidade óssea é um indicador direto da resistência e robustez dos ossos, desempenhando um papel chave na prevenção de fraturas.


A osteoporose é uma das principais doenças associadas à saúde óssea. Caracterizada pela diminuição da densidade óssea, torna os ossos mais porosos, frágeis e, consequentemente, mais suscetíveis a fraturas. A densitometria é a ferramenta diagnóstica padrão-ouro para a detecção dessa condição. Ao diagnosticar a osteoporose em seus estágios iniciais, é possível iniciar tratamentos e intervenções preventivas de forma mais eficaz.


Além do diagnóstico da osteoporose, a densitometria é utilizada para monitorar a eficácia de tratamentos prescritos para a doença. O exame também auxilia na avaliação de riscos relacionados a possíveis fraturas, dando aos profissionais de saúde e aos pacientes informações valiosas para tomada de decisões sobre tratamentos, atividades físicas e outras medidas preventivas.


Em resumo, a densitometria é uma ferramenta imprescindível não apenas para diagnosticar doenças ósseas, mas também para direcionar tratamentos e estratégias preventivas, garantindo assim uma melhor qualidade de vida para o paciente.


Quando ela é recomendada?


A densitometria óssea é recomendada em diversas situações, dentre as quais se destacam:


- Mulheres pós-menopausa: A menopausa, devido à diminuição dos níveis de estrogênio, pode levar à perda óssea. Mulheres que entraram na menopausa ou que tiveram os ovários removidos têm um risco aumentado de osteoporose.


- Indivíduos acima dos 50 anos: Com a idade, naturalmente ocorre uma redução da densidade óssea. A densitometria pode ajudar a identificar a rapidez dessa perda e a necessidade de intervenção.


- Fraturas anteriores: Pessoas que já sofreram fraturas no passado podem ter um risco aumentado de novas fraturas e, portanto, podem se beneficiar de uma avaliação de densidade óssea.


- Pacientes em tratamentos prolongados: Alguns medicamentos, como corticosteroides, quando utilizados a longo prazo, podem afetar a densidade óssea.


- Doenças que afetam a absorção de cálcio: Condições como a doença celíaca ou problemas renais podem interferir na capacidade do corpo de absorver cálcio, um mineral essencial para a saúde óssea.


- Histórico familiar: A genética desempenha um papel na saúde dos ossos. Se um parente próximo, como mãe ou irmã, teve osteoporose, o risco pode ser maior.


Compreender a saúde dos ossos é fundamental, principalmente à medida que envelhecemos. A densitometria é uma ferramenta valiosa, que fornece informações cruciais para a manutenção da saúde óssea e para a prevenção de condições que podem comprometer a qualidade de vida no futuro. É sempre importante seguir as recomendações médicas e realizar exames periódicos para garantir que nossos ossos permaneçam fortes e saudáveis.


12 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page